Juno * Crítica

18 02 2008

Juno 1 Sonrisal espiritual

Uma menina de 16 anos faz sexo com seu melhor amigo de escola. Pronto, é o que basta para ela engravidar. A partir daí,  Juno se vê envolvida numa teia de situações ligadas à gestação indesejada e tem que se desenrolar passo a passo, num processo de desenvolvimento e amadurecimento.

Juno 4Que não se pense que este é um tradicional filme adolescente. É sim um filme para adolescentes, só que com um nível bem maduro de discussões. De início, a saída imediata que vem à mente de Juno é matar seu filho – afinal, o aborto é visto atualmente como a saída menos trabalhosa para esse tipo de situação. Mas ela acaba optando pela vida e decide dar a criança para adoção. Começa, então, a buscar possíveis pais adotivos.
.
Juno 3Nesse sentido, ”Juno” apresenta inconscientemente certos valores cristãos como viáveis e corretos. Mas que ninguém se engane, apesar de a gravidez da protagonista ter sido causada por sexo irresponsável, em nenhum momento a prática de relações sexuais fora do contexto de uma família é criticada ou condenada. É o que é – e tudo bem. Que pena que gerou um filho. Mas se não tivesse gerado, estaria tudo certo.

A forma com Juno usa sua língua também vai contra tudo o que Tiago defende em sua epístola. Ela fala com seu pai e com sua madrasta sem nenhum freio, com desrespeito, até. O modo com que se dirige ao seu bebê (a quem chama de ”macaco marinho”) também não é edificante. Mas, no final, fica claro que o controle da lingua faz parte de seu processo de amadurecimento.

Juno 2Bem escrito e bem dirigido por Jason Reitman (de ”Obrigado por fumar”), ”Juno” provoca reflexões sobre sexo praticado na adolescência, contracepção, aborto e outros temas correlatos. Pela crueza da linguagem e pelos ângulos dos quais certos assuntos são vistos, é altamente recomendável que adolescentes só assistam a este filme sob orientação, seja de pais, líderes ou até mesmo de grupos que depois promovam debates. Pois é preciso elaborar em cima do que é apresentado nas telas, uma vez que a sexualidade é vista segundo o modelo que o mundo propaga nos dias de hoje, liberal demais para os padrões bíblicos: sexo pode ocorrer entre amigos ou entre estranhos, fazer sexo não tem nada a ver com compromissos sólidos, a gravidez não é um estigma tão pesado. Não dá é para ver o filme e depois ir direto comer pizza. É preciso digerir, com boas doses de sonrisal espiritual, tudo o que se absorveu durante os 92 minutos do longa-metragem.

Talvez o melhor de ”Juno” seja mostrar as duras conseqüências de um pecado. E talvez o pior de ”Juno” seja que o pecado em momento algum é apresentado como pecado.

Maurício Zágari Tupinambá
Jornalista e professor de Teologia
Equipe CINEGOSPEL

Cotação: BomCotação: Bom

.

.

Anúncios

Ações

Information

One response

25 02 2008



%d blogueiros gostam disto: