Rambo IV * Crítica

1 03 2008

Rambo Poster Será que somos, de fato, crentes?

Vinte anos depois, de sua última incursão bélica, John Rambo vive em paz na Tailândia, perto da fronteira com Mianmar. Lá, ele caça cobras para apresentá-las em espetáculos e navega em seu barco pelos rios tailandeses. Eis quRambo 1e surge um grupo de missionários evangélicos que chega para levar medicamentos e ajudar na plantação de igrejas no país vizinho, onde uma guerra civil se desenrola há 60 anos. Sensibilizado pela coragem, insistência e fé de Sarah (Julie Benz), Rambo concorda em levá-los rio acima. Dez dias se passam até que ele seja novamente procurado. Desta vez por um pastor da Igreja Evangélica do Colorado, que lhe diz que o grupo desapareceu, provavelmente capturado pelas milícias que infestam a região. E, assim, uma vez mais, John Rambo parte em direção ao conflito, transportando um grupo de mercenários cuja missão é (lógico) resgatar os missionários.

O roteiro é fraco e conta um enredo para lá de batido. Quando Stallone, (co-escritor e diretor) tenta dar alguma dramaticidade às cenas, a coisa fica séria! Os diálogos são fraquíssimos e o número de frases de efeito e momentos “clichê” simplesmente extrapolam. E, é bom observar, “Rambo IV” é o filme mais sanguinário da saga.

Rambo 1 3Porém, uma das seqüências do longa-metragem merece um comentário exclusivo, pois nos faz pensar em nossa condição como crentes no Senhor Jesus Cristo: a da invasão das comunidades evangélicas pelas milícias birmanesas. Esquecendo-nos das técnicas visuais cinematográficas, esta cena revela o que, de fato, ocorre, não somente em Mianmar, mas em diversos lugares do mundo: perseguição religiosa de cristãos em meio a torturas, estupros e mortes dolorosas e humilhantes. Ao assistir a essas imagens, nos sentimos pequenos e ficamos nos perguntando: suportaríamos isso pelo Senhor Jesus? Será que somos, de fato, crentes? O que temos feito, realmente, quanto à proclamação genuína do Evangelho?

Rambo 1 2Chega-nos à mente o texto de Rm 8.31,32,35,37-39: “Que diremos, pois à vista destas cousas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as cousas? Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Porque eu estou bem certo de quem nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as cousas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

A imprensa diz que Stallone parece ter sido tocado pela proclamação do Evangelho. Mas, por toda a crueza e violência do filme, fica a impressão que ele ainda está no início de uma longa jornada.

Pr. Marcelo Eliziário Vidal

Pr. Marcelo Eliziário Vidal
Igreja Presbiteriana do Caju (RJ)

 

Cotação: bom

[veja o trailer]
(Advertência: cenas de extrema violência)

Anúncios

Ações

Information

2 responses

1 03 2008
10 03 2008



%d blogueiros gostam disto: