Awake – A vida por um fio * Crítica

3 04 2008

awake.jpg Para quem tem nervos de aço

A idéia é assustadora. Você deita numa mesa de operacões, recebe anestesia geral e, quando acha que vai apagar, descobre aue está paralisado e completamente consciente do que está acontecendo. Pior: sente absolutamente tudo, cada corte, cada manipulacão, toda a dor. Assustador, não? Acrescente a isso a descoberta de que a equipe médica planeja a sua morte. E você não consegue mexer um dedo! Aterrorizante. Pois é exatamente isso o que o personagem de Hayden Christensen tem de enfrentar em “Awake – A vida por um fio”.

awake-1.jpgA trama em si não deixa nada a desejar aos melhores Hitchcocks. Afinal, é uma situação que poderia ocorrer com qualquer um de nós, como um letreiro no início da projeção deixa bem claro: mais de 21 milhões de pessoas recebem anestesia a cada ano em todo o mundo, das quais 30 mil ficam despertas, mas paralisadas, durante procedimentos médicos dolorosos. O jovem Clay Beresford (Hayden Christensen) tem dinheiro, uma bela mulher (Jessica Alba) e uma lucrativa carreira. Mas ele precisa de um transplante de coração que vai salvar sua vida. Quando finalmente encontra o doador, sua alegria se transforma em terror e ele acaba experimentando a situação descrita acima. Neste thriller baseado em um assustador fenômeno médico, as coisas se tornam sinistras à medida que a má prática da medicina começa a parecer tão monstruosa como um assassinato.

awake-5.jpgEste seria um filme de suspense de primeira linha, se não fosse pelo grafismo explícito de muitas das cenas, capaz de deixar os mais sensíveis de cabelos em pé. Você vai acompannar cada corte do transplante em detalhes. O diretor não poupou o público e expõe a cirurgia como se fosse um vídeo acadêmico para estudantes de Medicina. Se escancarar a caixa torácica de alguém fosse erotismo, este seria um filme de sexo explícito.

awake-3.jpgAlém do show sanguináriso totalmente desnecessário, o diretor aproveitou que tinha um belo casal de atores na mão e os expôs em cenas de intimidade (pré-marital, diga-se) e semi-nudez. Por outro lado, há um belo exemplo de devoção e amor sacrificial, na figura da mãe de Clay, Lilith. Em mais de uma ocasião, ela abre mão de si mesma em prol de seu filho, demonstrando sabedoria e perdoando a rebeldia dele.

awake-4.jpgComo thriller de suspense, “Awake – A vida por um fio” é classe A. Mexe com os nervos e deixa o espectador irrequieto na poltrona. Mas a forma explícita de certas cenas apresentarem vísceras, fluidos corporais e o sofrimento humano vai transtornar muitas pessoas. Usando a norma básica do trânsito: na dúvida, não ultrapasse. Ou seja; se você tem pressão alta, estômago fraco ou um bom-gosto mínimo para a boa direção cinematográfica, vá assistir a algo menos escatológico. Mas, se você topa qualquer parada, tome um antiácido e bom filme.

.

.

Maurício Zágari Tupinambá
Jornalista
Professor de Teologia Prática e Filosofia
Equipe CINEGOSPEL

CotaçãoCotação

.
.
.
.
Anúncios

Ações

Information

One response

3 04 2008
* * * C I N E G O S P E L * * * Cinema do ponto de vista cristão †

[…] Awake – A vida por um fio […]




%d blogueiros gostam disto: