Faça seu próprio filme! * Artigo

4 08 2008

Workshop de curtas-metragens

Realizamos no mês de maio deste ano dois workshops de curtas-metragens em Salvador e Jundiaí. Os dois eventos contaram com a participação de 80 pessoas, entre estudantes de cinema, fotógrafos, músicos, atores etc. Para os participantes que querem aprender fazendo foi uma oportunidade de receber conhecimentos técnicos para a produção de curtas-metragens de qualidade profissional. Os workshops estão sendo promovidos para que diferentes grupos e igrejas possam começar suas produções. Também abrimos a oportunidade no workshop para que os participantes possam trabalhar como voluntários na produção do filme “Finding Josef”, que será filmado na Polônia e no Brasil em 2009. Estão sendo programadas mais duas oficinas para o mês de setembro, com uma carga horária maior. As oficinas serão realizadas novamente em Salvador e Jundiaí.

Passo abaixo um resumo do conteúdo do workshop:

Introdução

  1. Por que fazemos filmes?

Uma reflexão sobre um dos meios de comunicações mais poderosos

  1. Como pessoas são alcançadas através deste ministério.

Com a pré-produção, produção e o produto final, o filme

  1. Onde estudar cinema e quais as opções.

Preparação formal e Informal

  1. Apresentação do trailer e o making of de “O Menino e o Barco.”
  2. Fazer filmes nunca foi tão fácil.

A tecnologia digital tornou fácil produzir bons filmes

Diferenças entre Cinema Independente e Cinema Indie

Desafios para diretores cristãos que não produzem indie, mas sim independente

  1. Os desafios para um diretor cristão: obedecer a visão de Deus e fazer filmes que tenham qualidade e honrem o nome de Deus.

Parte 2 – Pré-Produção de um Curta

  1. Começando com o roteiro.

A historia é rei. Uma historia cativante pode superar falhas técnicas. Um roteiro bem escrito faz diferença entre teatralismo e cinema.

Dicas para escrever um “Treatment” antes do script, os 3 atos de um roteiro e o formato correto de um roteiro profissional.

  1. Pré-Produção do Curta.

Montando seu crew (equipe técnica) e seu cast (atores). O que faz e como escolher seu produtor, produtor executivo, diretor, supervisor de roteiro, diretor de fotografia, diretor de arte, equipe de áudio, gaffer, iluminação etc.

  1. Escolha do Equipamento Adequado.

Câmera digitais, HD e RED. Tripés, dolly, jib, equipamento de áudio e luzes.

  1. Cinematografia.

Produzindo filmes com valor cinematográfico e potencial comercialização. A diferença entre vídeo e “cinema look” e a linguagem visual. Tomas e outras técnicas de enquadramento e composição.

  1. Iluminação – a diferença entre o amador e o profissional.

A técnica básica de iluminação conhecida como “Three Point Lighting.”

  1. Storyboard

Não é possível fazer um bom filme sem um storyboard. Crie o storyboard do seu roteiro e filme todos os quadros, técnica chamada “cinematic.”

Parte 3 – Produzindo – Filmando o Curta Metragem

  1. O Plano de Filmagem

Preparar um calendário organizado com as cenas e informações importantes no dia anterior.

  1. Procedimentos de um Set de Filmagens

Setups, Blockings e chamadas do diretor para filmar. Dicas para diretores em como liderar e motivar seu cast e crew.

Parte 4 – Pos-Produção – Editando seu Filme

  1. Informações Importantes para Edição.

Anotando “time code” e todos os números para facilitar uma boa edição do filme.

  1. Trabalhando com Trilha Sonora.

Use sempre trilha sonora original feita exclusivamente para seu filme.

  1. Festivais.

Submeta seu filme a festivais do mundo inteiro, comece com os grandes.

  1. A Premiere do seu Filme.

Este evento será muito importante para promover seu trabalho e chamar a atenção do publico e distribuidores.

  1. Trailer.

Use e abuse de trailers, o melhor vendedor do seu filme.

Parte 5 – “Os 9 Erros Comuns de Novos Diretores”

Apontamos os erros mais comuns para os que iniciam a carreira.

Parte 6 – O que Hollywood Sabe e nos não Sabemos e o que Sabemos e Hollywood não Sabe.

Parte 7 – Apresentação do projeto do longa metragem “Finding Josef”

O trailer de pré-produção do filme e detalhes do projeto.

Esta introdução à produção de curtas-metragens já está mobilizando pessoas e grupos para a aventura de seus primeiros trabalhos. Muitos dos que participaram estão iniciando seus estudos de cinema, outros foram despertados para este ministério e vários estão no caminho de aprender fazendo.

Missionário no Leste Europeu

Moisés Menezes é missionário no Leste Europeu e também diretor. Já produziu dois curtas, sendo que um, “My Name is Nadia” foi semi-finalista no San Antonio Independent Christian Film Festival – Estados Unidos. Em 2007 filmou no Chile “O Menino e o Barco” filme que tem agora um new-cut. Moises esta trabalhando para filmar na Polônia em 2009 outro curta que se chamara “Finding Josef”. Para conhecer mais sobre este ministério visite o site: www.moisesmenezes.org





É relevante analisar cinema pelo ponto de vista cristão? * Artigo

25 04 2008

É relevante? Ou é perda de tempo?

Algumas pessoas me perguntam qual é a importância de se criar um site sobre cInema do ponto de vista cristão. É relevante? É perda de tempo? Para responder isso, convido você a fazer uma viagem no tempo.

Na primeira metade do século 20, quando o cinema era uma arte nova, jovem, cheia de espinhas na cara, os governos do mundo todo descobriram o fascínio aue os filmes exerciam sobre as pessoas e começaram a usá-lo como poderosas ferramentas de propaganda e transmissão de suas ideologias. Os americanos passaram a exportar sua cultura e seu jeito de viver pelo cinema. Repare que hoje você usa camisetas em inglês, ouve músicas em inglês, assiste a filmes em inglês, veste calça jeans…sem que você perceba, a cultura americana invadiu a sua vida. Mas como? De repente você nunca pisou nos Estados Unidos! A resposta é: pelo cinema.

Quando Hitler quis divulgar suas loucas idéias nazistas de superioridade da raça ariana, o que ele fez? Contratou uma talentosa cineasta chamada Leni Riefenstahl para fazer filmes como “O triunfo da vontade”, que são primores da arte cinematográfica mas que servem principalmente para disseminar ideologias nefastas.

Sabe por que tantas pessoas fumam, achando que engolir fumaça é a coisa mais charmosa do mundo? Porque viram filmes onde astros sedutores fumavam. Exagero? Então fica aqui a sugestão: vá à locadora e assista ao filme “Obrigado por fumar”. Ele mostra com todas as cores como isso funciona.

E na época da Guerra Fria, para quem você torcia nos filmes? Para os soviéticos (que eram sempre os vilões) ou para Rocky, Rambo e outros truculentos heróis americanos? Repare que os super-heróis que você ama vestem roupas azuis e vermelhas, como o Homem-Aranha e o Super-Homem. Que, não por acaso, são as cores da bandeira americana. Coincidência?

A conclusão é: cinema influencia.

O poder de sedução daquelas figurinhas se mexendo nas telas é devastador. O poder de conquista do cinema é tremendo. Quando assistimos a um filme, estamos com nossa guarda baixa, ficamos abertos, desligamos o desconfiômetro e nos tornamos vítimas fáceis das mensagens que são transmitidas pelas películas. Transmitidas, aliás, com músicas tocantes e altas doses de emoção. E nós choramos, rimos, gritamos, nos assustamos…nos relacionamos com os filmes.

Cinema é a maior diversão, já dizia o antigo lema do grupo Severiano Ribeiro. Mas também é uma fortíssima arma de transmissão de filosofias, idéias e valores. Se a mocinha do filme engana os pais e mente para eles, a equação é clara: ”Quero ser como a mocinha. Ela é rebelde. Logo, não há problema se eu for rebelde”. O galã do filme faz sexo com diferentes mulheres. Adivinha que mensagem está sendo passada? E quando o herói tem que matar muitos bandidos para triunfar? A conta é simples: Morte = Vitória.

A resposta é clara. Sim, cinema é um assunto relevante. Muito relevante. Todos assistimos a filmes, das criancinhas aos anciãos. Todos estamos sob a influência das mensagens e filosofias, dos valores e conceitos que áudio e vídeo empurram por nosso cérebro adentro. E, logo, por nossos corações, mentes e almas.

Qual é a importância de se criar um site sobre cInema do ponto de vista cristão? Me responda você.

.

Maur�cio Zágari Tupinambá - Jornalista e professor de TeologiaMaurício Zágari Tupinambá
Jornalista
Professor de Teologia Prática e Filosofia


.

.
.
.




Cinema: instrumento de evangelismo em Moçambique * Artigo

15 04 2008

Muitos ficaram impactados

Cheguei a Dondo, em Moçambique, há cerca de dois anos, atendendo a um convite feito pela Igreja Batista do Dondo, por intermédio de seu pastor, Jeronimo Cessito, e de sua esposa, a missionária Noemia Gabriel Cessito. A média de vida da população local é de cerca de 35 anos e isso faz com que a Palavra de Deus seja ministrada em tempo e fora de tempo – já que morrem pessoas diariamente na região. Pensando nisso, a igreja tem vários projetos voltados à propagação do evangelho do Reino.

Não há na cidade qualquer tipo de diversão sadia; há sim casas de prostituição e quiosques vendendo bebida alcoólica. Há também casa de vídeos (locadoras), onde os proprietários oferecem filmes de qualquer espécie, principalmente de sexo e violência, sem controle de idade. Diante dessa realidade crescente em nosso dia-a-dia, é necessário sempre usar a criatividade para evangelizar. Um dos meios que a igreja utiliza são os filmes. Temos na Igreja Batista do Dondo um projetor e sempre passamos longas-metragens, tanto para evangelizar quanto como recreação – visto que o jovem cristão não tem com o que se distrair na região.

Este ano, aproveitando a Semana Santa, passamos dois filmes: “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, e o filme “Jesus”. Nesses dois dias, tivemos cerca de mil pessoas na platéia. Foi uma benção, pois muitos nunca haviam tido a oportunidade de entrar em uma igreja evangélica. Foi interessante notar a expressão no rosto de alguns, que pensavam que o personagem interpretado por Jim Caviezel era realmente Jesus Cristo e que todo aquele sofrimento era real. Muitos ficaram impactados com as cenas tão chocantes e no final dos filmes tiveram a oportunidade de ouvir a mensagem redentora com o Pr. Jeronimo Cessito.

Como resultado, pudemos ver que muitos dos que ali estavam para assistir aos filmes voltaram à igreja no domingo seguinte. O processo de evangelização começou. Agora, é esperar e ter fé que o tempo vai nos trazer os resultados colhidos naquela Semana Santa.

.

Marisa Ferreira
Missionária em Dondo (Moçambique)