Os seis signos da luz * Crítica

14 01 2008

Os seis signos da luz 1 O bem é o bem e o mal é o mal

Confesso que minha reação ao ler o título e a sinopse de ”Os seis signos da luz” foi torcer a cara. Olha só: ”Um garotinho – Will – descobre que não é um ser humano normal, mas um Old One – um mago poderoso, que tem o tio Merriman Lyon (Merlin), como mentor. Junto com a reencarnação do rei Arthur Pendragon, eles devem deter a ascensão do mal. Nessa obra existe o Bem, o Mal e a Magia Selvagem, que não é alinhada. Durante o Natal, o mal ataca Will numa igreja, pois o solstício de inverno, antes de ser uma data cristã, era uma festa celta.”. Mas uma apreciação do filme me fez mudar a careta num sorriso. Sutil, mas ainda assim um sorriso.

Os seis signos da luz 2O longa-metragem é realizado pela Walden Media, a mesma produtora responsável pela adaptação cinematográfica de ”As Crônicas de Nárnia”. O diretor, David Cunningham, é filho de Lorde Cunningham, fundador do importantíssimo ministério cristão Youth with a Mission (Jovens com uma missão – Jocum). Por outro lado, o filme é baseado na série de livros ”The Dark is Rising”, de Susan Cooper, recheada de mitos celtas e pagãos. O que poderia sair dessa mistura improvável?

David Cunnigham afirmou numa entrevista que o que o atraiu para o projeto foi sua moral, que fala de fazer as escolhas certas. ”Quando você toma uma decisão, as implicações vão além de você e suas escolhas impactam muitas, muitas pessoas”, disse. O tema central é a luta do bem contra o mal – emoldurada com uma roupagem de ação abundante e ininterrupta.

Os seis signos da luz 3É interessante que o herói, o adolescente Will, de 14 anos, não posa de super-herói. Ele tem suas fraquezas e limitações – e sabe disso. ”Não sou um super-herói! Nem sei conversar com uma garota!”, confessa em certo momento. Will tem medo de falhar, pois reconhece que não é perfeito. E, como qualquer outro ser humano, precisa de ajuda. A importância da família tem muito peso em ”Os seis signos da luz”. O herói respeita os pais e ama os irmãos, mesmo quando seu amor não é correspondido com igual intensidade. Will é um modelo e tanto para os nossos adolescentes.

Os seis signos da luz 4Merece atenção um fato: neste filme, os maus são maus e os bons, bons. Não há, como na série “Harry Potter”, bruxos bons. Ou, como em ”Hellboy”, um demônio que pratica o bem. Existem a luz e as trevas. E só. No geral, ”Os seis signos da luz” é um bom filme para nossos adolescentes – se visto como uma grande parábola. As entrelinhas são edificantes; a moral, positiva; e as mensagens, consistentes com a Bíblia. E é entretenimento de primeira para quem gosta de ação e aventura.

Maurício Zágari Tupinambá
Equipe CINEGOSPEL

Cotação: bom

[veja o trailer]

Anúncios

Ações

Information

One response

14 01 2008
* * * C I N E G O S P E L * * * Cinema do ponto de vista cristão †

[…] Os seis signos da luz […]




%d blogueiros gostam disto: